Crytek junta forças com a Oculus para “VR locomotivo”

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

A Crytek juntou forças com a Oculus, dona do Rift e parte do Facebook, para desenvolver VR em movimento, diz post em blog oficial. A informação vem de Julius Carter, desenvolvedor de games em realidade virtual que anuncia as novidades.

As inovações estão sendo aplicada aos jogos digitais The Climb e Robinson: The Journey. As principais mudanças, pensando que o Oculus Rift é uma experiência mais estanque em relação ao HTC Vive, estão na rotação da cabeça.

Veja um playlist sobre estes experimentos.


Via RoadtoVR

Compre a revista Mundo360
Acompanhe a Mundo360 no Facebook e no Twitter.

O que fundador da Atari acha sobre VR?

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

Nolan Bushnell, o criador da Atari que fez sucesso nos anos 70 e dominou a indústria dos videogames, escreveu no Twitter sobre seus pensamentos acerca da realidade virtual. O desenvolvedor norte-americano estará em outubro no Brasil para a BGS 2017.

Escreveu Nolan em 9 de fevereiro: “VR pode se tornar viciante? A maioria dos escritores de ficção científica acha isso. Eu acho que será legal em doses moderadas”.

nolan-twitter-2

O comentário do fundador da Atari é similar ao de Shigeru Miyamoto, gigante da Nintendo criador de Zelda e Mario. Ele disse que fica preocupado “como um pai veria seu filho usando VR”.

Será que os grandes nomes dos games não acreditam muito em realidade virtual?

Talvez acreditem, mas em “doses moderadas”.

Compre a revista Mundo360
Acompanhe a Mundo360 no Facebook e no Twitter.

Queremos que você colabore com a Mundo360: Com textos, vídeos e conteúdo

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

A revista Mundo360 foi a primeira brasileira dedicada a realidade virtual, aumentada e mista. Lançada entre julho e agosto de 2016, a publicação foi pioneira em dar o devido destaque a VR na mídia brasileira. Foi destaque no Catraca Livre, AdNews, Meio & Mensagem e é vendida em diferentes formatos.

Tem cerca de cinco mil exemplares em circulação e fez ações com a Discovery.

Em 2017, a revista fez uma parceria com o site de games Drops de Jogos para atualizar este blog. Com os editores e jornalistas Renato Bazan e Kao Tokio, estamos dando um gás nos conteúdos focados em realidade virtual e inovação.

Agora abrimos espaço para você, caro leitor.

Queremos receber seu vídeo 360, seu game em VR e seu conteúdo.

A Mundo360 busca autores e uma comunidade que queira construir conteúdo em conjunto.

Entre em contato conosco pelo email dropsdejogos@gmail.com.

Queremos saber o que você acha sobre VR e como podemos melhorar o fluxo de notícias do site.

Contamos com você.

Compre a revista Mundo360
Acompanhe a Mundo360 no Facebook e no Twitter.

Resident Evil 7 é um game feito para VR com gore; confira nossas 1ªs impressões

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

Originalmente postado no DJ

[Este texto contém spoilers leves sobre a trama e o funcionamento do jogo. Não falamos do final]

Resident Evil 7 pode ser descrito numa frase significativa: “Keep it simple, stupid” (a sigla KISS ou “mantenha simples, seu estúpido”, numa tradução literal). Ao invés da mudança radical com alma que foi RE4 (2005) ou do jogo de ação que foi Resident Evil 5 (2009), o sétimo capítulo da saga aposta em poucos elementos que vão fazer você se sentir tanto amedrontado quanto intrigado com a trama. E, definitivamente, ele se distancia da maçaroca que foi RE6 (2012), centrado em figuras batidas como Chris Redfield, Jill Valentine e Leon S. Kennedy.

A trama se centra numa mansão abandonada de uma família chamada Baker. Eles desapareceram e o local se transformou na Dulvey Haunted House em Louisiana, no sul dos Estados Unidos. Paralelamente, uma jovem chamada Mia desaparece em 2014.

Você é Ethan Winters, um protagonista sem muita personalidade mas com uma história inteiramente nova. Ethan é casado com Mia e vivia uma relação amorosa até seu desaparecimento. O acontecimento o deixa desconcertado e ele busca a companheira. Uma equipe de documentaristas vai até a casa Dulvey e também desaparece. Neste meio tempo, surge uma fita com uma gravação de Mia que pára nas mãos do herói. Ela suplica que ele vá até o local.

Na casa abandonada, você é atacado por Mia e por Jack Baker, o “pai da família” que se tornou um morto-vivo. A partir daí, o game entra numa constante de um pesadelo que demora a acabar, pelo menos na sua cabeça.

Sabendo todos os mistérios, RE7 pode se terminado em cerca de 10 horas. É um jogo de um dia ou uma semana, no máximo. Embora cause nauseas pela câmera intermitente, que parece muito inspirada no projeto Silent Hills cancelado pela Konami, parece que o game pode ser jogado num intervalo entre 1h30 em 1h30 no modo de realidade virtual. Tome cuidado caso você queira experimentar com o PlayStation VR.

Além da perspectiva inédita em primeira pessoa entre os jogos numerados da série (desconte spin-offs e outros títulos, que já usaram esta mecânica), esqueça a hierarquia dos vilões dos antigos Resident Evil. Os zumbis, que são a família Baker no caso, são muito mais poderosos do que as demais monstruosidades. O tom misterioso e de exploração lembra, em diferentes momentos, Alien: Isolation (2014) – que por um acaso funciona muito bem em realidade virtual. Os recursos são poucos e o foco é a sobrevivência o tempo todo, não a ação. Seu objetivo desde a demo, Beginning Hour, é sair da casa.

Carne podre, sangue e mofo vão infestar a tela do seu PS4, Xbox One ou PC. Portanto, se você quer entrar na onda deste game, esteja pronto para o gore, para a violência brutal que ele representa.

Compre a revista Mundo360
Acompanhe a Mundo360 no Facebook e no Twitter.

Confira os principais vídeos de reportagems da Mundo360 na FITIC 2016

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

A Feira de Tecnologia (FITIC) 2016 ocorreu entre os dias 15 e 18 de dezembro, encerrando as atividades do ano. O evento reuniu realidade virtual, corrida de drones, experimentos com projeções, impressão 3D e experimentos mobile.

A revista Mundo360 esteve no evento através do estande do Esconderijo das Crianças e do grupo Era Transmídia. O repórteres Pedro Zambarda, Kao Tokio e Renato Bazan cobriram o evento e trouxeram os principais fatos da feira.

Confira.






10 atrações da Feira de Tecnologia, a FITIC, até o dia 18 de dezembro

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

Até o próximo domingo (18) ocorre a Feira de Tecnologia, a FITIC, no São Paulo Expo, perto da estação Jabaquara de metrô e da Rodovia dos Imigrantes. A revista Mundo360, o site Drops de Jogos e o Esconderijo das Crianças são parceiros do evento. Os ingressos variam entre R$ 60 até R$ 700, o que inclui as oficinas (workshops) de tecnologia.

Separamos 10 atrações e fatos da FITIC se você se interessou pelo evento.

1) Workshop de drones

Atração premium da feira, trata-se de uma oficina para montar drones e aparelhos aéreos com câmeras e outros objetos. O evento mostra os aparelhos em diferentes tamanhos e finalidades. É possível apostar corrida e entender o seu funcionamento.

2) Game brasileiro baseado no quadrinho Holy Avenger

Fã do HQ nacional que conquistou no final dos anos 90? O estúdio Messier Games trouxe seus desenvolvedores e demos jogáveis para quem quer conhecer este RPG de ação baseado no sistema Tormenta.

3) Desconto no Cabify

Um dos concorrentes do Uber e dos serviços O2O de transporte, o Cabify está presente na FITIC com um HTC Vive com arco e flecha e outros games no evento. Quem for no estande deles, ganhará brindes e desconto nas corridas de carro. O Cabify se defende como um serviço de transporte particular com treinamento dos motoristas.

4) Skullfish Studios

Para quem entrar no FITIC, entre as startups de jogos próximas da entrada, o Skullfish traz uma atração bacana para crianças. Trata-se de uma animação de Natal para celebrar o final de ano. Os desenvolvedores Rafael Ferrari e Gabriela Thobias estão de touca natalina para ensinar os visitantes a utilizarem o Vive.

5) Palestras sobre negócios e… séries de Netflix

O pessoal do Esconderijo das Crianças está fazendo apresentações no palco principal. Os assuntos variam entre negócios até Black Mirror e Star Wars. A ideia é justamente misturar inovação com os assuntos do momento.

6) VR BOX e Loox no estande do Esconderijo das Crianças

Além da revista Mundo360, o Esconderijo está exibindo com o grupo Era Transmídia os óculos de realidade virtual nacionais. Os modelos VR BOX e Loox estão em exibição, junto com a publicação.

7) BeerOrCoffee

App presente no evento, BeerOrCoffee é um programa disponível na FITIC para quem quer melhorar suas reuniões de negócios. As atendentes do aplicativos explicam que ele funciona como um “tinder do networking”. O app oferece descontos e até a conta integral de cafeterias ou cervejarias para reuniões de negócios. Basta dar “match” de acordo com a sua geolocalização.

8) Liga Facens

A Faculdade de Engenharia de Sorocaba, a Facens, está presente na FITIC com o estúdio de games Smyowl para falar de educação no segmento. É uma oportunidade para quem quer estudar jogos e desenvolver seus projetos.

9) SAGA

A tradicional escola de games com filiais em São Paulo e nas outras cidades brasileiras traz o seu set tradicional em eventos. Games, modelagem 3D e design mandam no espaço da SAGA.

10)”Balões do Greenpeace” e de outras marcas

Para quem quer ter experiências imersivas além do ambiente de negócios, a ONG Greenpeace e outras marcas trouxeram “iglus” inflados com espaços fechados dentro da FITIC. Vale a olhada.

Esconderijo das Crianças terá estande na Feira de Tecnologia (FITIC) com a revista Mundo360

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos e da revista Mundo360

A consultoria Esconderijo das Crianças, criadora da revista Mundo360, estará na Feira de Tecnologia (FITIC) com estande próprio. Acompanhado pelo grupo Era Transmídia, a empresa vai promover a revista e o aplicativo Choicely, que é configurável e lida com grandes quantidades de dados.

Desenvolvido em Helsinki, na Filândia, o Choicely é um app que também está sendo expandido para pesquisas e votações que utilizam imagens e vídeo. O software também está sendo desenvolvido para tecnologias inovadoras, como realidade virtual e aumentada, algumas das principais atrações da FITIC.

O estande da EraTransmidia conta com o apoio de Aplause, Cabify, Esconderijo das Crianças, Fazenda Urbana, Loox e revista Mundo360. A rede de parcerias traz vantagens aos visitantes.

Os visitantes que forem de Cabify poderão ter 25% de desconto até 18 de dezembro, utilizando o voucher “ERAFITIC”.

Fique atento neste blog para saber mais novidades do evento.