Google anuncia suporte à Realidade Virtual no Chrome já para janeiro de 2017

Por Renato Bazan, colaborador da Mundo360

A extensão WebVR, que surgiu há pouco mais de dois anos por iniciativa da fundação Mozilla (a mesma do Firefox), lentamente está se concretizando como ferramenta-padrão para experiências em Realidade Virtual baseadas em navegadores de Internet. No final de outubro, o Google anunciou que pretende publicar a primeira versão do Android com a ferramenta já em janeiro de 2017. A versão suportada será a 1.1, a mais recente.

A declaração foi dada por Megan Lindsay, gerente da plataforma na empresa, durante um encontro das maiores corporações que atualmente desenvolvem ferramentas em RV nos Estados Unidos. Entre os participantes, que também trabalham para viabilizar a WebVR em seus produtos, estavam Samsung, Microsoft e Oculus.

O plano do Google é lançar uma versão beta do Chrome para Android com a WebVR funcional já em dezembro, e seguir para a implementação oficial depois de um curto período de testes abertos. A versão para computadores chegará pouco tempo depois, embora ainda não tenha data definida.

A pressa tem um motivo muito palpável: a empresa quer que seu navegador esteja pronto quando o sistema Daydream for distribuído para outros celulares além do Google Pixel. Assim que for lançado (em poucos dias), o Pixel será o único da empresa a ter uma implementação oficial da extensão – algo que tem mais a ver com a renovação de software pela qual passou do que com seus novos sensores.

Com a atualização do Chrome, porém, o Google espera que boa parte dos seus UM BILHÃO de usuários possam ter acesso ao plugin de Realidade Virtual no celular. A partir daí, bastaria a pessoa encaixar o celular em um Cardboard ou equipamento similar para ter uma experiência instantânea em VR, sem mais preparativos, através do próprio Chrome.

A flexibilidade da WebVR é tão grande, inclusive, que a companhia anunciou inclusive um modo que transforma sites comuns ambientes de Realidade Virtual, a ser lançado ainda na primeira metade de 2017.

Como a extensão WebVR é baseada em JavaScript, uma linguagem de computação muito comum, há pouco risco de incompatibilidade com a maioria dos softwares e sites. É justamente isso que torna sua proposta tão atraente. Além do Google, recentemente a Microsoft anunciou que trabalha na implementação da WebVR para o Edge.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s